Foto: Divulgação/SLU
Publicidade

No ano passado, a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) recolheu, em toda capital, 652 animais mortos e jogados em vias públicas. Venda Nova foi a Regional com maior quantidade do serviço, somando 334 remoções. O número é quase o dobro da segunda região mais atendida, a Norte, que teve 177 incidências.



Por isso, a SLU alerta os cidadãos para que não lancem os corpos de animais mortos em vias públicas, leitos de córregos e outros locais, como lotes vagos. A prática pode causar impactos ambientais e disseminar doenças.

Segundo Maria Esther de Castro e Silva, chefe do Departamento de Planejamento da SLU, existe o serviço de coleta de animais mortos, justamente, para promover o bem-estar e saúde pública. Cadáveres de animais contaminados podem propagar enfermidades e, além da poluição, provocam mau cheiro.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

Em 2018, foram recolhidos 523 cães, 60 gatos e 52 cavalos em Belo Horizonte. A Regional Pampulha, que também compartilha limites com Venda Nova, teve 141 casos.

A SLU recomenda que animais de pequeno porte, como aves, coelhos, cães e gatos falecidos, sejam acondicionados em caixas de papelão, sacos plásticos, ou materiais parecidos, e colocados no passeio da residência em que morreram para serem recolhidos no dia e horário da coleta domiciliar.

Animais de grande porte, como cavalos mortos, serão removidos mediante demanda. A solicitação deverá ser feita pelo número 156 ou no portal da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui