Foto - Will Araújo/Jornal Norte Livre
Publicidade

Você não estava errado(a), Venda Nova é um dos locais mais quentes de Belo Horizonte.

De acordo com a tese de doutorado “O sistema clima urbano do município de Belo Horizonte na perspectiva têmporo-espacial”, defendida pelo professor Wellington Lopes Assis em 2010, no Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a capital, e a Regional, apresentaram aumento significativo nas temperaturas médias nos últimos 100 anos. A pesquisa apontou a existência de três núcleos de aquecimento contínuo no município, ou seja, regiões em que a temperatura é mais elevada que as demais.



No estudo, Venda Nova é uma das três localidades mais quentes da cidade e tem temperaturas que a transformam em um arquipélago de calor, principalmente, no período da tarde, entre 13h e 17h, podendo ultrapassar em mais de 6ºC a média do dia. Entre os principais motivos da elevação térmica estão a impermeabilização do solo, o crescimento demográfico e a exposição à radiação solar, que é uma característica da Regional.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

Os outros núcleos de aquecimento contínuo identificados pela tese estão na região do Hipercentro (Regional Centro-Sul) e numa pequena parcela entre os bairros Castelo e Caiçara (entre as regionais Pampulha e Noroeste).

No núcleo da Regional Venda Nova e extremo oeste da Regional Norte foram detectadas as maiores temperaturas máximas e amplitudes diárias, segundo a tese. Diferente de outras regiões da capital, em que a declividade e edificações auxiliam na diminuição da exposição ao sol, esses locais possuem poucas construções acima de quatro pavimentos, pouca arborização e uma quantidade significativa de locais impermeabilizados.

“A presença de árvores está restrita a alguns quintais e passeios. As principais vias de acesso não tem canteiros centrais vegetados, como a Rua Padre Pedro Pinto e a Avenida Vilarinho.” Assis (2010).

De acordo com o estudo, o aquecimento em Venda Nova tem intensidade moderada das 19h às 11h, aumentando de 2ºC a 3,9ºC neste período. Já durante a tarde, entre 11h e 18h, a temperatura aumenta drasticamente, superando 6ºC de variação, classificando a intensidade como forte e muito forte, segundo tabela elaborada por López-Gómez (1993) e citada na literatura.

“(…) valores acima de 30ºC eram registrados todos os dias no período da tarde. A exposição destes locais ao movimento aparente do sol, associada às características de uso do solo, proporcionam uma rápida absorção da radiação solar e armazenamento de energia pela superfície e edificações, elevando significativamente a temperatura do ar.” Assis (2010).

O núcleo de aquecimento do Hipercentro só não superou o de Venda Nova porque a quantidade de edificações impedia a efetiva absorção da radiação solar. Essas características induzem a um menor aquecimento atmosférico durante o dia e uma lenta dissipação do calor durante a noite da Região Centro-Sul.

https://www.youtube.com/watch?v=ayrcKfkrNjw

Umidade

Com respeito à umidade relativa média do ar, as regiões com número significativo de arborizações e córregos de leito aberto apresentaram maiores valores. Em Venda Nova, o estudo demonstrou que a Regional circulava entre os percentuais de 52,8% e 56,8%. A cidade, como um todo, teve uma diminuição de 7% na média anual desde 1911.

Segundo a tese, o Bairro Copacabana é o local mais úmido entre as regionais Pampulha, Venda Nova e Norte. A exposição contínua do espelho d’água da lagoa e do Aeroporto da Pampulha ao sol proporcionam uma maior evaporação superficial.

Durante a manhã, Venda Nova é mais úmida do que o Aeroporto da Pampulha.

A Cidade

Em comparação com as primeiras medições da capital, datadas entre 1911 e 2009, em que a temperatura média anual era de 20,4ºC, a cidade teve um aumento térmico de cerca de 1,5ºC à época da defesa da tese. Em 2010, Belo Horizonte já apresentava a temperatura média anual de aproximadamente 21,9ºC em relação com os 100 anos analisados.

Além da elevação média anual, as temperaturas médias máximas e mínimas também aumentaram.

Após 100 anos, a temperatura média mínima da capital aumentou 2,7ºC, passando de 15,2ºC para 17,9ºC. A máxima teve ligeira elevação, oscilando entre 0,7ºC e 0,2ºC. A amplitude térmica anual, que é a diferença entre máxima e mínima, caiu 0,8ºC.

Como Venda Nova ainda continuava uma comarca de Santa Luzia até 1948, quando foi definitivamente anexada a Belo Horizonte, as variações de temperatura à época não foram apresentadas no estudo.

O bairro mais quente de Venda Nova?

O Bairro Rio Branco demonstrou os maiores valores da Regional, conforme informações do núcleo de aquecimento contínuo identificado em Venda Nova. Durante a pesquisa, ele recebeu um abrigo meteorológico e apresentou a temperatura mais elevada dos experimentos: 34,6ºC.

Apesar de demonstrar uma temperatura acima das demais da cidade, o Bairro apresentou um resfriamento noturno mais intenso entre as 19h e 6h. Ou seja, enquanto o dia é quente, a noite esfria rapidamente.



Como foram feitas as medições?

O doutor Wellington espalhou por toda as regiões da capital 20 abrigos meteorológicos para colhimento de dados da temperatura, umidade relativa do ar e direção e velocidade do vento. As medições com os aparelhos foram feitas em dois experimentos de campo, ocorridos entre os dias 21 e 30 de agosto de 2008 (parcela do período seco) e entre os dias três e 18 de março de 2019 (parcela do período chuvoso).

Além disso, foram usadas as estações meteorológicas já presentes em Belo Horizonte. Em seguida, todos os dados foram cruzados minuciosamente com os 100 anos de registros anteriores.

No terceiro momento do experimento de campo, o pesquisador usou 15 abrigos meteorológicos distribuídos pelo o Hipercentro da cidade e efetuou coletas entre os dias cinco e seis de junho de 2009 (parcela do período seco).

Em Venda Nova, dois abrigos (P16 e P17) foram colocados nas ruas Newton Costa Silveira, no Bairro Rio Branco, e Maria Helena Marques, no Bairro Minas Caixa (respectivamente).

Publicidade
Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte — UniBH (2017), jornalista editor no Jornal Norte Livre com passagem pelo Jornal Daqui BH, ambos parceiros hiperlocais do Portal Uai/Diários Associados. Professor e sócio na empresa "Quando - Fábrica de narrativas", conteudista, SEO (Search Engine Optimization), videomaker, fotógrafo e entusiasta como ilustrador, desenvolvedor web e animador 2D."Os livros são o templo do jornalista, mas é nas ruas que ele congrega". Will Araújo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui