Chalé do Sesc Venda Nova - Foto: Netun
Publicidade

Na quarta-feira (1º de abril), o governo federal publicou no Diário Oficial da União a Medida Provisória 932/2020, que reduz pela metade, até do dia 30 de junho (três meses), os recursos do Sistema S provenientes da contribuição obrigatória das empresas em folhas salariais. A ação faz parte do pacote de providências anunciadas pelo ministro da Economia Paulo Guedes com o objetivo de ajudar empresários afetados pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

“O Sistema S é um conjunto de entidades, administradas por federações e confederações patronais, voltadas para o treinamento profissional, assistência social, consultoria, pesquisa e assistência técnica”, conforme a Agência Brasil. Entre as entidades citadas estão o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), o Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (Senac), o Serviço Social do Comércio (Sesc) e outros.

A desoneração de metade da contribuição paga em folhas salariais por empresários(as) não repercutiu bem para as entidades, as quais comunicaram aos governadores, por meio da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o risco de fechamento de 265 unidades do Sesc e Senac.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

José Roberto Tadros, presidente da CNC, afirmou à Agência Brasil que “mais de 90% das unidades que poderão ser fechadas estão presentes em regiões que, muitas vezes, carecem da presença do governo e, principalmente nestas localidades, os serviços que o Sistema Comércio oferece chega aos mais pobres, a parcela que sofrerá o maior impacto com o fechamento (das unidades)”.

Além disso, a medida causará a demissão de 10.210 trabalhadores em todo país e reduzirá mais de 36 milhões de atendimentos, vagas e inscrições nos serviços oferecidos. De acordo com o CNC, Minas Gerais corre o risco de ter 14 unidades fechadas por causa do pacote do ministro da Economia Paulo Guedes.

O Jornal Norte Livre questionou à diretoria do Sesc Venda Nova se existe o risco de fechamento, redução de funcionários e outra série de retrações nos serviços. Por meio de nota, os responsáveis disseram não garantir que as atividades continuem intactas, mas afirmaram que os dependentes sentirão os cortes.

NOTA: “Neste momento, em que o corte de 50% se impõe como uma realidade, entendemos que todas as entidades do chamado Sistema S, nacionalmente, passarão por uma série de avaliações, adequações, e possivelmente redução de atividades e operações. Nesse cenário, não é possível garantirmos que não haverá impacto em atividades ou unidades do Sesc em Minas. Para a instituição, cuja missão é promover a transformação social por meio de uma série de ações nas áreas de Educação, Saúde, Assistência, Cultura, Turismo e Lazer, o trabalhador do Comércio de Bens, Serviços e Turismo e seus dependentes sentirão esses cortes.”



O CNC enviou contrapropostas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ao ministro da Economia Paulo Guedes, ao ministro da Saúde Luiz Mandetta, ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (Democratas), e ao presidente do Senado David Alcolumbre (Democratas), as quais reverteriam as verbas a serem perdidas com a MP 932/2020 – na ordem de 1 bilhão – para ações prestadas pelo Sistema S no combate da pandemia do novo coronavírus.

Entre as contrapropostas estão: a distribuição de alimentos a instituições via Projeto Mesa Brasil (já é operação), a instrumentalização dos profissionais da saúde, a colaboração identificação da abrangência do número de infectados, a disponibilização de unidades do Sesc e Senac, incluindo 50 automóveis, para vacinação, coleta de sangue e ações de prevenção, a disponibilização de respiradores, a capacitação de profissionais da área da saúde e a possibilidade de campanhas de mobilização.

Os cortes anunciados pelo ministro da Economia Paulo Guedes causaram a mobilização de trabalhadores e usuários do Sistema S em Venda Nova. Eles divulgaram vídeos nas redes sociais sob a hashtag #EuDefendoOSesc, com o objetivo de demonstrar a importância dos serviços em suas vidas.

@sescmg @sescmgcentrodeminas.. #sescvendanova #EuDefendoOSesc

Publicado por Vagner Silva em Domingo, 29 de março de 2020

Sesc e Senac Venda Nova na luta contra a pandemia do novo coronavírus

Também no dia primeiro de abril, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, e a Secretaria Municipal de Saúde, assinou uma parceria com a rede Sesc, unidade Venda Nova, para disponibilização de 260 alojamentos (chalés) com o objetivo de abrigar moradores em situação de rua que apresentem sintomas ou estejam infectados pelo novo coronavírus (Covid-19).

“Trata-se de uma iniciativa inovadora e o espaço já conta com a estrutura que possibilita o distanciamento social, a higiene pessoal e alimentação, assim como cuidados de saúde. O serviço será oferecido de forma compartilhada entre as áreas de Saúde e Assistência Social da Prefeitura”, disse a assessoria de imprensa do Sesc Venda Nova em nota.

A ação cumpre a recomendação jurídica de que o Executivo municipal crie um Plano de Contingência Emergencial Intersetorial para proteção da população em circunstância de vulnerabilidade social. O pedido foi proposto pelas defensorias públicas de Minas Gerais e União e pelos ministérios públicos do Trabalho e Federal.

Além disso, o Senac ressalta a existência da grade de cursos a distância para que no período de quarentena as pessoas utilizem o tempo ocioso para aprimoramento profissional.

Na próxima terça-feira (07), será feita uma live na rede social Instagram sobre o tema “Inteligência financeira para momentos difíceis”, com o consultor especialista Erasmo Vieira. Na mesma plataforma, no dia 14, será apresentada a palestra “Inteligência emocional aplicada aos negócios”, com a analista comportamental Camila Alves. Os eventos começam a partir das 15h.



Publicidade
Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte — UniBH (2017), jornalista editor no Jornal Norte Livre com passagem pelo Jornal Daqui BH, ambos parceiros hiperlocais do Portal Uai/Diários Associados. Professor e sócio na empresa "Quando - Fábrica de narrativas", conteudista, SEO (Search Engine Optimization), videomaker, fotógrafo e entusiasta como ilustrador, desenvolvedor web e animador 2D."Os livros são o templo do jornalista, mas é nas ruas que ele congrega". Will Araújo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui