Mosquito da dengue com a bactéria Wolbachia será solto em 29 áreas diferentes de Belo Horizonte. Foto: nuzree/Pixabay.
Mosquito da dengue com a bactéria Wolbachia será solto em 29 áreas diferentes de Belo Horizonte. Foto: nuzree/Pixabay.
Publicidade

Mais bairros de Venda Nova vão receber o mosquito da dengue com a bactéria Wolbachia nos próximos meses. O método inovador para frear a dengue vem de uma parceria da Prefeitura de Belo Horizonte com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

De acordo com o Executivo municipal, as regiões Norte e Noroeste também vão receber os vetores modificados. Portanto, serão 29 áreas diferentes nessa etapa da pesquisa, entre as de controle e as de intervenção.

As áreas de intervenção receberão os mosquitos. As de controle não receberão. Para os dois grupos haverá o acompanhamento da sorologia de voluntários.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

Mas, a prefeitura informa que não pode detalhar quais bairros exatamente vão receber o mosquito da dengue com a bactéria. Isso porque o objetivo dos pesquisadores é comparar as localidades onde os insetos foram soltos com aquelas onde eles não estarão.

Portanto, o estudo, tecnicamente, tem o nome de “randomizado”, no qual se compara o efeito de uma intervenção sobre a população.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, mosquitos que carregam essa bactéria têm a capacidade reduzida de transmitir os vírus para as pessoas. Assim, se diminui o risco de surtos de dengue.

Na primeira fase da pesquisa, três bairros de Venda Nova receberam a experiência: Jardim Leblon, Piratininga e Copacabana. A soltura aconteceu em 5 de outubro do ano passado com a presença do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Além disso, a escolha por Venda Nova passa pela “análise das séries históricas de infestação por Aedes aegypti e incidência de doenças causadas pelo mosquito” na Regional.

Escolas

Nessa segunda etapa da pesquisa, a Prefeitura de BH também vai monitorar a saúde de crianças de 6 a 11 anos de escolas municipais. Portanto, o objetivo é verificar as tendências das incidências de doenças transmitidas pelo Aedes nestes locais.

Em Venda Nova, o trabalho vai englobar as escolas municipais Tancredo Phideas Guimarães (Vila Satélite), José Xavier Nogueira (Jardim Europa) e Vicente Guimarães (Letícia).

O mesmo vale para as escolas Professora Ondina Nobre (Céu Azul), Professor Moacyr Andrade (Vila Santa Branca) e Armando Ziller (Mantiqueira).

Método Wolbachia no mosquito da dengue

Wolbachia é um microrganismo intracelular e não pode ser transmitida para humanos ou animais. O método é natural, não coloca os ecossistemas naturais em risco e é autossustentável. Nem os mosquitos nem a bactéria Wolbachia sofreram qualquer modificação genética.

A Prefeitura de Belo Horizonte destinou local onde funcionava o Centro de São Francisco para construção da biofábrica dos mosquitos. Para saber detalhes do Método Wolbachia, veja o vídeo abaixo.

Dengue em BH

Até o dia 26 de fevereiro, data do último balanço, Belo Horizonte confirmou 238 casos de dengue. Desses, 29 são de Venda Nova. A cidade ainda investiga outros 522 diagnósticos, 76 deles em Venda Nova.

A maioria desses casos aconteceu em janeiro. Ainda não há mortes pela doença notificadas em BH.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui