Mosquito da dengue com a bactéria Wolbachia será solto em 29 áreas diferentes de Belo Horizonte. Foto: nuzree/Pixabay.
Mosquito da dengue com a bactéria Wolbachia será solto em 29 áreas diferentes de Belo Horizonte. Foto: nuzree/Pixabay.
Publicidade

Mais bairros de Venda Nova vão receber o mosquito da dengue com a bactéria Wolbachia nos próximos meses. O método inovador para frear a dengue vem de uma parceria da Prefeitura de Belo Horizonte com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

De acordo com o Executivo municipal, as regiões Norte e Noroeste também vão receber os vetores modificados. Portanto, serão 29 áreas diferentes nessa etapa da pesquisa, entre as de controle e as de intervenção.

As áreas de intervenção receberão os mosquitos. As de controle não receberão. Para os dois grupos haverá o acompanhamento da sorologia de voluntários.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

Mas, a prefeitura informa que não pode detalhar quais bairros exatamente vão receber o mosquito da dengue com a bactéria. Isso porque o objetivo dos pesquisadores é comparar as localidades onde os insetos foram soltos com aquelas onde eles não estarão.

Portanto, o estudo, tecnicamente, tem o nome de “randomizado”, no qual se compara o efeito de uma intervenção sobre a população.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, mosquitos que carregam essa bactéria têm a capacidade reduzida de transmitir os vírus para as pessoas. Assim, se diminui o risco de surtos de dengue.

Na primeira fase da pesquisa, três bairros de Venda Nova receberam a experiência: Jardim Leblon, Piratininga e Copacabana. A soltura aconteceu em 5 de outubro do ano passado com a presença do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Além disso, a escolha por Venda Nova passa pela “análise das séries históricas de infestação por Aedes aegypti e incidência de doenças causadas pelo mosquito” na Regional.

Escolas

Nessa segunda etapa da pesquisa, a Prefeitura de BH também vai monitorar a saúde de crianças de 6 a 11 anos de escolas municipais. Portanto, o objetivo é verificar as tendências das incidências de doenças transmitidas pelo Aedes nestes locais.

Em Venda Nova, o trabalho vai englobar as escolas municipais Tancredo Phideas Guimarães (Vila Satélite), José Xavier Nogueira (Jardim Europa) e Vicente Guimarães (Letícia).

O mesmo vale para as escolas Professora Ondina Nobre (Céu Azul), Professor Moacyr Andrade (Vila Santa Branca) e Armando Ziller (Mantiqueira).

Método Wolbachia no mosquito da dengue

Wolbachia é um microrganismo intracelular e não pode ser transmitida para humanos ou animais. O método é natural, não coloca os ecossistemas naturais em risco e é autossustentável. Nem os mosquitos nem a bactéria Wolbachia sofreram qualquer modificação genética.

A Prefeitura de Belo Horizonte destinou local onde funcionava o Centro de São Francisco para construção da biofábrica dos mosquitos. Para saber detalhes do Método Wolbachia, veja o vídeo abaixo.

Dengue em BH

Até o dia 26 de fevereiro, data do último balanço, Belo Horizonte confirmou 238 casos de dengue. Desses, 29 são de Venda Nova. A cidade ainda investiga outros 522 diagnósticos, 76 deles em Venda Nova.

A maioria desses casos aconteceu em janeiro. Ainda não há mortes pela doença notificadas em BH.

Saiba mais

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui