Publicidade

Por William Araújo

No dia 12 de abril, durante visita técnica da Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) e representantes da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) no córrego Marimbondo, o engenheiro Farid Salles, representante da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (SMOBI), disse aos participantes da reunião que, em até oito dias, começariam as obras de demolição das casas desapropriadas da região. Entretanto, até o momento, 13 dias após a promessa, nada aconteceu.


[custom-related-posts title=”Veja mais” order_by=”date” order=”DESC”]

Em contato com o Norte Livre, o morador e líder comunitário Paulo Barzel disse que passou diversos dias pelo local para saber se havia alguma movimentação de máquinas ou agentes da PBH, mas não viu nada.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

Enquanto a PBH não toma atitudes, mato alto e animais peçonhentos proliferam na região. Outro problema informado pelos moradores é a quantidade de pessoas que fazem uso do local para práticas ilícitas.

Casas no entorno do córrego Lareira em Venda Nova - abril - 2018 - Foto - William Araújo - Norte Livre-7
Casas no entorno do córrego Lareira em Venda Nova – abril – 2018 – Foto – William Araújo – Norte Livre-7

A equipe de reportagem também esteve no local e não detectou nenhuma alteração conforme prometido na visita técnica. A demanda foi levada ontem à assessoria da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), que respondeu dizendo que estava apurando o caso. Entretanto, até a publicação desta matéria,  não houve qualquer retorno.

Novo capítulo: invasões e ousadia dos assaltantes no entorno do córrego Lareira

Há alguns anos, João Bosco da Costa, engenheiro mecânico, morador do bairro São João Batista, é um dos afetados pelas obras da bacia do córrego Lareira – outro curso d`água pertencente ao projeto de revitalização.

De acordo com ele, na rua Otávio Pereira existiam mais moradores, mas, depois do início das desapropriações, o local ficou a esmo, com mato alto e potencialmente perigoso.

Em 2017, assaltantes invadiram a residência do engenheiro mecânico enquanto ele e a esposa estavam trabalhando. Levaram joias, um relógio de pulso e um videogame.

Segundo João, o roubo não foi maior porque o filho, que tinha 15 anos à época, estava no andar de cima da residência e acionou a polícia. Quando os assaltantes perceberam a movimentação de viaturas na rua, fugiram do local.

Casas no entorno do córrego Lareira em Venda Nova - abril - 2018 - Foto - William Araújo - Norte Livre-4
Casas no entorno do córrego Lareira em Venda Nova – abril – 2018 – Foto – William Araújo – Norte Livre-4

Apesar da proximidade com o 49º Batalhão de Polícia Militar (650m), os invasores não ficaram intimidados. Com medo da violência, o casal instalou câmeras e cercas sobre os muros da casa que está no entorno do córrego e mudou para um apartamento alugado enquanto a PBH não resolve o problema.

Atualmente, a família gasta em torno de R$1800 com aluguel e a segurança motorizada da antiga casa.

Vizinhos tentam se proteger

Ainda no córrego Lareira, algumas casas foram demolidas em outubro de 2016. Entretanto, outras muitas foram desapropriadas pela PBH e permanecem de pé, sem portas, janelas e servindo como moradia a andarilhos.

De acordo com Jhonatan Trindade, bombeiro militar e morador do entorno do córrego, para contornar a insegurança gerada pela demora da PBH, os vizinhos distribuíram apitos entre eles e fazem barulho quando avistam suspeitos.

Segundo o bombeiro, na quarta-feira (18), dois homens chegaram em uma motocicleta e começaram a fazer medições. Desconfiado, anotou a placa do veículo e descobriu que o proprietário já era conhecido pela polícia por crimes de invasão a residências.

Além disso, a família de Jhonatan já capturou, recentemente, dois escorpiões no interior da residência, provenientes do mato alto e de uma casa que foi demolida e até agora não teve os escombros removidos.

“Fazem, aproximadamente, oito meses que a Prefeitura não faz a limpeza superficial e a capina do lugar”, diz o morador.

Entenda o caso

Em março, moradores do bairro Santa Mônica, no entorno do córrego Marimbondo, cansados de aguardar por respostas da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), decidiram trazer a público os problemas gerados pelos esqueletos das casas desapropriadas no plano de revitalização da área. As residências tiveram portas e janelas removidas e estão servindo para proliferação de animais peçonhentos e uso de drogas por andarilhos ou indigentes que vivem na região.

O caso foi noticiado no dia 16 do mesmo mês, contendo, inclusive, um vídeo da atual situação das casas e vizinhança. Após 27 dias, houve, em abril, a visita técnica de representantes da Secretária Municipal de Obras e Infraestrutura (Smobi – Farid Salles), da Gerência de Controle de Zoonoses de Venda Nova (Gerczo – Maria Antonieta), da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU – Clarício Aguiar) e do solicitante da reunião, vereador Cláudio da Drogaria Duarte (PMN).

Além dos responsáveis técnicos, o Secretário de Obras de Belo Horizonte, Josué Valadão, também estava agendado para ir ao local, mas não compareceu.

Na data da visita, líderes comunitários expuseram, novamente, a situação para os órgãos públicos, que prometeram, na figura do engenheiro Farid Salles, iniciar as obras de demolição das casas em até oito dias, a partir daquele evento.

 


 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui