Vacinação vai até o dia 22 de maio. Foto: Felipe Barros/ExLibris/PMI.
Vacinação vai até o dia 22 de maio. Foto: Felipe Barros/ExLibris/PMI.
Advertisement

A Prefeitura de Belo Horizonte antecipou a Campanha de Vacinação Contra a Gripe em 2020 e a imunização, que comumente acontece entre abril e maio, se inicia nesta segunda-feira (23). Diferente dos outros anos, por conta do cenário pandêmico do novo coronavírus, as autoridades de saúde disponibilizam a proteção também fora dos centros de saúde.

A antecipação da campanha tem como público-alvo duas parcelas da população: os maiores de 60 anos e os servidores da saúde, justamente para torná-los menos vulneráveis à COVID-19.

Vale lembrar que a vacinação não impede que uma pessoa seja infectada pelo novo coronavírus, mas fortalece sua imunidade. Com isso, caso o paciente pegue a virose que assusta a população no momento, ele poderá enfrentá-la de maneira mais protegida.

Em Venda Nova, quem tem mais de 60 anos precisa procurar, preferencialmente, os postos extras abertos pela prefeitura.

São eles: as igrejas São José (Rua Maria Gertrudes dos Santos, 23 – Bairro Céu Azul), São Vicente (Rua Roma, 160 – Bairro Copacabana), Batista (Rua Crizanto Muniz, 205 A – Bairro Candelária) e Menino Jesus (RUa José Sabino Maciel, 15 – Bairro Lagoa); o Espaço Social da Igreja Veredas da Justiça (Rua Humberto de Campos, 298 – Bairro Jardim Leblon); a Escola Municipal Zilda Arns (Rua Erva Mate, 26 – Bairro Piratininga); e a Coordenadoria de Atendimento Regional Venda Nova (Care-VN), localizada na Rua Padre Pedro Pinto, 1.055 – Centro de Venda Nova.

Esses pontos extras vão funcionar das 8h às 17h, de segunda até sexta-feira. Depois do Barreiro, Venda Nova é a regional da cidade com o maior número de unidades deste tipo.


Você é de Venda Nova?

Morador(a) de Venda Nova, fique por dentro de notícias exclusivas da Regional. Clique no botão ao lado/baixo e siga o Jornal Norte Livre nas redes sociais.
“O que não é visto, não é lembrado”
Jornal Norte Livre, o jornal de Venda Nova!


Já os servidores da saúde devem procurar, de preferência, os centros de saúde espalhados pela capital mineira. São 152 em Belo Horizonte, sendo 17 em Venda Nova (confira a lista aqui).

Contudo, vale ressaltar que a prefeitura recomenda à população, conforme orientações das autoridades de saúde, que evite aglomerações. Isso porque a vacinação segue até 22 de maio, ou seja, serão quase dois meses para se proteger.

Fases da campanha de vacinação contra gripe em BH 2020 -  Imagem: Jornal Norte Livre
Fases da campanha de vacinação contra gripe em BH 2020 – Imagem: Jornal Norte Livre

Drogarias Araújo

A partir de quarta-feira (25), a população acima de 60 anos terá uma nova possibilidade para vacinação: as unidades das Drogarias Araújo.

O objetivo da parceria obtida pela prefeitura é diminuir ao máximo possível a aglomeração de pessoas nos pontos extras de vacinação e nos centros de saúde.


Leia também


Em Venda Nova, há diversas unidades da Araújo. Só na Rua Padre Pedro Pinto, são duas: nos números 1.660 e 824. Na Vilarinho, há uma loja no Shopping O Norte, na altura do número 1.300.

Há, ainda, estabelecimentos da marca nos bairros Serra Verde (Avenida Leontino Francisco Ales, 231), São João Batista (Avenida João Samaha, 1.014), Rio Branco (Rua Augusto dos Anjos, 400), Jardim Leblon (Rua Central, 1.109), Santa Mônica (Rua Doutor Álvaro Camargos, 2.620) e Céu Azul (Rua Antônio José dos Santos, 412).

Outras prioridades

A partir de 16 de abril, segundo a prefeitura, professores e profissionais das forças de segurança e salvamento, além dos doentes crônicos, estão autorizados a se vacinar na rede pública de saúde.

A última fase, que vai de 9 a 22 de maio, tem como meta atender um terceiro grupo prioritário. Ele é formado por crianças de seis meses a menores de seis anos (5 anos, 11 meses e 29 dias), pessoas com mais de 55 anos, gestantes, mães no pós-parto (até 45 dias após dar a luz), população indígena e portadores de condições especiais.

A vacina protege contra qualquer gripe?

Muita gente, depois de se vacinar contra a gripe, se queixa por ter sido acometida por um resfriado, dizendo que a proteção “não vale de nada”. Contudo, vale ressaltar que a imunização é um escudo contra o vírus Influenza, causador da gripe influenza, que pode evoluir para quadros mais graves de doenças respiratórias, como a pneumonia.

Nesse cenário, existem três tipos de vírus Influenza: A, B e C. O vírus Influenza C causa, apenas, infecções respiratórias brandas, não tem impacto na saúde pública e não está relacionado a epidemias.

Já as viroses A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o primeiro causador dos grandes problemas na saúde pública. Dentre os subtipos de vírus influenza A, os subtipos A (H1N1), que causou efeitos parecidos com o novo coronavírus em 2009, e A (H3N2) circulam atualmente em humanos.

A vacinação em vigor no Sistema Único de Saúde (SUS) protege contra a Influeza A (H1NI e H3N2) e B.

Outro mito quanto à vacinação contra a gripe é que a imunização deixa as pessoas doentes. Na verdade, a proteção não contém vírus vivos, ou seja, é impossível que ela cause efeitos reversos.

Vacinei ano passado. Devo me proteger de novo?

Sem dúvidas. Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações, a proteção cai progressivamente com o passar do tempo, ou seja, é fundamental que a população, principalmente a que está mais vulnerável à doença, se vacine a cada campanha.

Além disso, como todos os vírus, os micro-organismos causadores da Influenza sofrem mutações com o passar do tempo. Ou seja, o ser vivo que circulava em 2019 não é mesmo neste ano.

Curta e compartilhe nas redes sociais
0Shares

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificar-me