Um dos objetivos da reunião é discutir obras de macrodrenagem na Vilarinho. Foto: Gabriel Ronan/Jornal Norte Livre.
Um dos objetivos da reunião é discutir obras de macrodrenagem na Vilarinho. Foto: Gabriel Ronan/Jornal Norte Livre.

Em dezembro de 2020, a PBH abriu a licitação para a terceira etapa das obras contra enchentes em Venda Nova, que prevê a implantação de dois reservatórios subterrâneos de água para as sub-bacias dos córregos Vilarinho, Nado e Ribeirão Isidoro. Cada “piscinão”, terá capacidade de armazenamento de 115 milhões de litros, além de lajes de cobertura.

No dia 12 de fevereiro, a partir das 13h, a PBH apresentará as propostas comerciais das empresas candidatas e a licitante que obteve a primeira colocação. No mesmo momento, irá conferir as documentações de habilitação.

Todo o procedimento será exibido por meio de um telão no auditório da sede da Superintendência de Desenvolvimento Urbano (Sudecap), situada na Rua dos Guajajaras, 1.107, no Bairro de Lourdes.

Conforme a Sudecap, serão investidos recursos de, aproximadamente, R$ 148.071.824,78, vindos da Caixa Econômica Federal. Além disso, a empresa licitada terá 36 meses para conclusão da obra a partir da primeira ordem de serviço — início das intervenções.

Não em menos de quatro anos

Em outras palavras, caso a terceira etapa comece a ser operacionalizada em março, Venda Nova e entorno, dependendo da agilidade da empresa vencedora da licitação, teriam de conviver com mais três perigosas temporadas de chuvas antes de chegarem ao prazo final de entrega dessa fase, em fevereiro de 2024.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), por meio da Seção de Análise e Previsão do Tempo ( Sepre), do quinto distrito de meteorologia de Minas Gerais, presente em Belo Horizonte, o período chuvoso de toda Região Sudeste ocorre entre os meses de outubro e março do ano seguinte, com intensificação durante a primeira quinzena de setembro e entre os meses de novembro e janeiro – considerado o trimestre com maiores índices pluviais.

Em alinhamento com o que disse o prefeito Alexandre Kalil (PSD) em dezembro de 2020, sobre quatro anos não serem suficientes para resolverem o problema, as obras na Avenida Vilarinho também podem chegar ao limite do atual mandato do chefe do executivo municipal.

No dia 16 de novembro de 2018, após a tragédia chuvosa que ceifou a vida de ao menos quatro pessoas em Venda Nova, Kalil (PSD) compareceu ao local e assumiu a culpa pelas mortes, alegando que era uma irresponsabilidade que prefeitos passassem por mandatos em BH e não resolvessem aquele problema. 

Essa etapa do processo licitatório (Smobi-039/2020) abrange “a contratação de obras de otimização do sistema de macrodrenagem dos córregos Vilarinho, Nado e Ribeirão Isidoro para a implantação dos reservatórios profundos Vilarinho 2 e Nado 1 e Mitigação das inundações recorrentes na avenida Vilarinho e rua Doutor Álvaro Camargos, região de Venda Nova”.

Saiba mais

Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte — UniBH (2017), jornalista editor no Jornal Norte Livre com passagem pelo Jornal Daqui BH, ambos parceiros hiperlocais do Portal Uai/Diários Associados. Professor e sócio na empresa "Quando - Fábrica de narrativas", conteudista, SEO (Search Engine Optimization), videomaker, fotógrafo e entusiasta como ilustrador, desenvolvedor web e animador 2D."Os livros são o templo do jornalista, mas é nas ruas que ele congrega". Will Araújo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui