Arroz, feijão, farinha, fubá... Alimentos vão para famílias carentes de Venda Nova e região. Foto: reprodução/WhatsApp.
Publicidade

A pandemia da COVID-19 veio não só para trazer problemas na saúde pública, mas também para ressaltar as desigualdades sociais brasileiras. Nesse cenário, doações são sempre uma boa alternativa para ajudar quem mais precisa num momento tão difícil.


Você é de Venda Nova?

Siga nossas redes sociais e fique por dentro do que acontece perto de você. Jornal Norte Livre, o Jornal de Venda Nova.


Diante desse panorama, Cristina Fonseca, moradora do Bairro Mantiqueira, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte, está recolhendo alimentos para doar a famílias carentes da regional e da cidade de Santa Luzia, na Grande BH.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

Quem quiser ajudar precisa levar os alimentos até a casa de Cristina, localizada na Rua Edmar Colini Ferreira (antiga Rua 30), 144. Entre os itens solicitados por ela estão pacotes de arroz, farinha, feijão, açúcar, sal e macarrão. Doações de garrafas de óleo também contribuem.

Para entrar em contato com Cristina, o interessado pode optar por dois números: (31) 99883-9537 e (31) 98670-8070. Esse primeiro também está disponível na rede social WhatsApp.

Uma das famílias apoiadas por Cristina Fonseca. Alimentos são contribuição fundamental durante a pandemia da COVID-19. Foto: reprodução/WhatsApp.

Além dos alimentos, Cristina chama atenção para a necessidade de doações de sacos plásticos para organização das cestas. Isso porque ela tem destinado recursos próprios para adquirir esses sacos, e até entregado os kits em sacolas de plástico comuns, como as de supermercados.

“Até aqui já doamos 14 cestas. A primeira foi há dois meses, para um morador do Bairro São Benedito (Santa Luzia)”, conta a mulher. Ela explica como nasceu a ideia: “Eu participo de um grupo de WhatsApp com a velha guarda do (Bairro) Mantiqueira. Lá, o pessoal só discutia política e pouco faziam pela comunidade. Então, tive essa ideia de reunir esforços e deu muito certo”.

Logística e outras doações

Como organizadora de diversas iniciativas sociais, Cristina Fonseca é requisitada pela comunidade para angariar diferentes itens. Nesse cenário, ela também recebe em sua casa contribuições como ração para cães e gatos e roupas e cobertores para moradores em situação de rua.

O problema de receber tanta coisa passa, contudo, muito pela logística. Com deficiência física, ela precisou abandonar a profissão de manicure e enfrenta limitações para transportar os alimentos arrecadados.

“Eu tenho que fazer alguma coisa (pelas pessoas). Tem tanta gente na situação difícil com a pandemia. Eu tenho uma certa dificuldade para poder buscar e entregar as cestas. Então, se alguém puder me ajudar nisso, estou à disposição”, conta.

Outra contribuição importante para o projeto de Cristina gira em torno de caixas de leite e pacotes de biscoito maizena. Isso porque uma das famílias ajudadas por ela tem uma criança de 7 anos, que enfrenta diversos problemas de saúde, como autismo leve, hiperatividade e dermatite.

A criança se alimenta a partir desses itens, o que reforça a necessidade de doações.

Publicidade

2 COMENTÁRIOS

  1. Me sinto emocionada c essa grande ajuda q chega agora através destes amigos do jornal Norte livre,sei q assim poderemos ajudar mto mais pessoas.So msm Jesus p enviar anjos p nos auxiliar na ajuda ao próximo.Sinto me mto feliz demais em fazer parte disso,me sinto como uma ponte onde de um lado há os amigos-irmãos q me dão o seu amor em forma de doação e do outro os amigos-irmãos q recebem esse amor.Isso tudo eu só posso agradecer a Deus essa oportunidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui