Publicidade

Em um mês, Sesc Venda Nova acolheu pouco mais de 50 moradores em situação de rua

Estrutura tem servido para abrigar essa parcela da população que apresenta sintomas da COVID-19. São 300 vagas, portanto boa parte não está ocupada ainda

Chalé do Sesc Venda Nova - Foto: Netun
Chalé do Sesc Venda Nova - Foto: Netun
Publicidade

Na última quarta-feira (6), completou-se um mês desde que o Sesc Venda Nova (Rua Maria Borboleta, s/n – Bairro Novo Letícia) passou a receber moradores em situação de rua com sintomas de infecção pelo novo coronavírus.

Desde então, de acordo com números da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, a estrutura recebeu 54 pessoas nesta situação. Dessas, apenas 11 permanecem acolhidas em Venda Nova.

Segundo a PBH, 26 finalizaram o tempo de isolamento – o período de incubação do vírus é de 14 dias – e foram encaminhados à rede de acolhimento do município.

Publicidade

Outras quatro pessoas tiveram agravamento do quadro clínico e precisaram ser levadas ao hospital, enquanto 13 optaram pela saída voluntária.



Quando começou a oferecer o serviço, a prefeitura informou que disponibilizaria no Sesc Venda Nova 300 vagas para acolhimento de moradores em situação de rua sintomáticos. Portanto, desde então, nem 20% da oferta na estrutura foi demandada em um mês.

O serviço é oferecido de forma compartilhada entre as áreas de saúde e assistência social da prefeitura. Cabe ao Sesc a disponibilização de estrutura física, hospedagem, enxovais e capas de colchão.

O investimento é de R$ 3 milhões. O protocolo é básico: o morador de rua que apresentar suspeita será encaminhado à unidade básica de saúde mais próxima, ou pronto-socorro.


Se os sintomas significarem necessidade de quarentena domiciliar, o Sesc Venda Nova entra na jogada e recebe essas pessoas.

O especialista André Luiz de Freitas Dias, coordenador do Projeto Polos de Cidadania, vinculado à Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), vê problema na solução encontrada pela prefeitura.

“São 300 vagas e a prefeitura já nos disse que podem chegar a 1 mil. O ideal é que, pela própria natureza da pandemia, não se concentre muitas pessoas em um único ponto. É necessário você distribuir a população nos diferentes espaços geográficos”, pontua.

Publicidade

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile