Publicidade

Desde que foi instalado o Centro Especializado em Doenças Respiratórias, na quarta-feira (25), na Unidade de Pronto-Atendimento Venda Nova (Upa Venda Nova), ocorreram 40 atendimentos a pessoas com sinais de enfermidades respiratórias e que podem, ou não, serem casos suspeitos do novo coronavírus (Covid-19), segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte (SMSA-BH). A medida foi implantada na regional com o objetivo de atender a pacientes que apresentem sintomas da doença e que residam no vetor norte da capital.



De acordo com a SMSA, ao chegar no Centro Especializado com sinais de doenças respiratórias, o paciente recebe uma máscara, é classificado e encaminhado ao atendimento médico. Casos de internação ainda não foram relatados.

“Caso algum paciente que procure o Centro Especializado necessite de internação, ele será transferido para unidade hospitalar. De acordo com determinação do Ministério da Saúde, os exames para Covid-19 são feitos, nesse momento, apenas em pacientes que necessitam de internação”, informou a SMSA.

CONTINUA APÓS ESTA PUBLICIDADE

Se o paciente não apresentar sintomas respiratórios que o levem a ser internado com suspeitas do novo coronavírus, ele recebe as orientações do médico a respeito de isolamento, é prescrito, quando é o caso, medicado, e liberado, segundo a SMSA.

Além disso, neste período do ano, como ainda existe o risco da contaminação pelo vírus influenza, os pacientes que buscam o Centro Especializado não podem ser todos considerados casos suspeitos para o novo coronavírus. Desse modo, em todo país, em paralelo às medidas de contenção do Covid-19, acontece a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe.

Com a vacinação contra gripe, o diagnóstico para casos suspeitos do novo coronavírus é auxiliado, uma vez que o paciente descarta a possibilidade de infecção pelo influenza.

Fases da campanha de vacinação contra gripe em BH 2020 – Imagem: Jornal Norte Livre

Atualização sobre o novo coronavírus em Minas Gerais

Em Minas Gerais, “até o momento são 17.409 casos suspeitos para Covid-19 e 153 casos confirmados e não há óbitos”, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (Ses-MG), do dia 26 de março de 2020.

Dos 153 casos confirmados, Belo Horizonte possui, aproximadamente, 63% deles (96 pessoas infectadas). Do montante, outros cinco estão sendo investigados e, após laudo médico, terão a localidade informada pela Ses-MG.

Número de casos notificados de Covid-19 – Fonte: Ses-MG

Boatos de WhatsApp

Recentemente, começou a circular em diversos grupos de WhatsApp – também da Região de Venda Nova – o áudio de uma pessoa não identificada questionando o motivo de não existirem informações por parte do governo do Rio de Janeiro sobre moradores em situação de rua infectados pelo novo coronavírus (Covid-19).

O compartilhamento do questionamento induz dúvidas sobre o real perigo da pandemia e vai na contramão da curva crescente dos casos notificados em Minas Gerais e todo Brasil.

Na mensagem, o homem diz: “alguém pode me explicar o por quê de não existir nenhum morador de rua internado em nenhum hospital do Rio de Janeiro. O cara não toma banho, o cara não lava as mãos, o cara come resto do lixo (entendeu?), deita no chão sujo… contaminado e não está internado por quê? Será que o coronavírus não pega ele ”?

Além disso, o homem não identificado questiona o por quê dos dependentes químicos em cenas de uso, chamados por ele de “crackudos”, não estarem infectados. “Quer dizer que o coronavírus só pega em trabalhador e velho”?

Áudio que circula nos diversos grupos de WhatsApp

Para entender e esclarecer os motivos de moradores em situação de rua, dependentes químicos em cenas de uso e outros grupos em vulnerabilidade social não serem citados pelas estatísticas de suspeita ou infecção comprovada pelo novo coronavírus, o Jornal Norte Livre perguntou às pastas responsáveis em Minas Gerais e Belo Horizonte e obteve respostas.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (Ses-MG), os casos com suspeita ou confirmação do novo coronavírus não recebem esse nível de particularidade. “Não possuímos este detalhamento e separação dos casos. As informações que dispomos são as divulgadas no boletim epidemiológico”, informou em nota.

O boletim epidemiológico da Ses-MG é emitido diariamente e não faz menção às condições financeiras dos pacientes com laudo positivo para o novo coronavírus.

A Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte (SMSA-BH) informou que este tipo de registro não é critério obrigatório para atendimento de pacientes pelas Unidades de Pronto-Atendimento.

Em nota, a SMSA explicou:

“As pessoas em situação de rua são atendidas em todos os 152 Centros de Saúde da capital, nas 9 UPAs e também nos Centros Especializados em Doenças Respiratórias, portando ou não documentação. Não há registro específico de atendimento a esses indivíduos. A atualização de casos de COVID 19 é feita pela Secretaria de Estado de Saúde”.

Serviço

Endereço da UPA Venda Nova: Rua Padre Pedro Pinto, 175 – Venda Nova, Belo Horizonte
Aberta 24 horas



Publicidade
Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte — UniBH (2017), jornalista editor no Jornal Norte Livre com passagem pelo Jornal Daqui BH, ambos parceiros hiperlocais do Portal Uai/Diários Associados. Professor e sócio na empresa "Quando - Fábrica de narrativas", conteudista, SEO (Search Engine Optimization), videomaker, fotógrafo e entusiasta como ilustrador, desenvolvedor web e animador 2D."Os livros são o templo do jornalista, mas é nas ruas que ele congrega". Will Araújo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui