Publicidade

Venda Nova também será beneficiada por acordo do governo de Minas com a Vale

Vale e gestão Romeu Zema fecharam termo de reparação no valor de R$ 37,7 bilhões, que inclui obras na Grande Belo Horizonte

Governador Romeu Zema (Novo) assinou termo de reparação com a Vale nesta quinta (4). Foto: Gil Leonardi/Imprensa MG.
Governador Romeu Zema (Novo) assinou termo de reparação com a Vale nesta quinta (4). Foto: Gil Leonardi/Imprensa MG.
Publicidade

O governo de Minas Gerais e a mineradora Vale fecharam acordo nesta quinta (4) na esfera cível da tragédia de Brumadinho, ocorrida em janeiro de 2019. Ainda que de maneira indireta, o termo de reparação no valor de R$ 37,7 bilhões também atinge quem mora em Venda Nova.

Isso porque o governo de Minas tem o planejamento de fazer melhorias na mobilidade urbana da Grande BH. Dessa maneira, o plano é levar o recurso da mineradora para expandir o metrô. O transporte público hoje vai da Estação Vilarinho, em Venda Nova, até a Eldorado, em Contagem.

Outro plano é construir um Rodoanel na Região Metropolitana da capital mineira. A rodovia também pode facilitar a vida de quem vive em Venda Nova, já que melhoraria o fluxo de veículos como um todo ao redor de BH.

Publicidade

O valor total para a área da mobilidade é de R$ 4,95 bilhões.

Com o dinheiro em mãos, o estado também vai investir na segurança hídrica da Grande BH. O cronograma prevê a integração entre os sistemas dos rios das Velhas e Paraopeba. Portanto, evitar o desabastecimento da região.

Dessa maneira, o governo pretende destinar R$ 2,05 bilhões para garantir o abastecimento de água. A execução das intervenções terá responsabilidade do governo de Minas, de maneira direita ou via licitação.

Saúde e segurança

O dinheiro da Vale vai, ainda, para hospitais da rede estadual localizados em BH. Porém, o Risoleta Tolentino Neves, entre Venda Nova e a Região Norte, não está no plano.

Assim, o governo planeja destinar parte dos R$ 4,37 bilhões da área para reformas no João XXIII, João Paulo II e Júlia Kubitschek.

De acordo com o termo, esse dinheiro também vai para estudos da Fundação Ezequiel Dias (Funed). A ideia do governo é expandir o projeto da bactéria Wolbachia. Venda Nova já recebeu mosquitos Aedes aegypti com esse micro-organismo.

Quando recebem a bactéria, os vetores têm menos chances de transmitir doenças como dengue, febre chikungunya e zika.

Na área da segurança, o governo do estado pretende investir na compra de equipamentos. O inventario vai para o Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e polícias Militar e Civil.

Negociações entre Vale e governo

Rompimento da barragem da Vale em Brumadinho despejou 12,7 milhões de metros cúbicos de rejeito. Foto: divulgação/TJMG.

Para chegar até o acordo, a Vale e o governo de Minas se reuniram em diversas oportunidades desde o segundo semestre do ano passado. Os encontros contaram com a presença do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Ministério Público e Defensoria Pública, além dos representantes do Executivo e da mineradora.

A catástrofe de Mariana aconteceu em 25 de janeiro de 2019. O rompimento da Barragem 1 da Mina do Córrego Feijão matou 259 pessoas e deixou outras 11 ainda desaparecidas. Além, é claro, do prejuízos socioambientais.

Esse acordo se refere apenas à esfera cível do processo. Portanto, a Vale ainda pode ser punida do ponto de vista criminal.

Publicidade

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile