Fonte: Pixabay - sunblock
Fonte: Pixabay - sunblock
Advertisement

Por Caroline Araújo – CRBM 8948

Esta semana estive em um encontro em que profissionais da saúde discutiam sobre a fotoproteção, os tipos de fotoprotetores, as novas tecnologias usadas nesses produtos e a conscientização sobre os riscos da exposição solar.

Muitos concordaram que no passado, relativamente recente, esse assunto não era tratado com a mesma importância que nos anos atuais. Além disso, os filtros disponíveis no mercado não eram tão completos e não ofereciam aos usuários tantas inovações.


Leia também

Apesar das campanhas sobre a importância dos filtros solares, nem todos usam de maneira correta.

É comum encontrar pessoas que aplicam o filtro apenas uma vez ao dia, não utilizam quando estão dentro de casa ou só empregam o protetor quando vão à praia ou clube. Enfim, são muitos erros, até mesmo na escolha do produto.

Essas condutas podem acarretar problemas seríssimos à saúde – como o câncer de pele –, além do envelhecimento precoce.

Então, qual a maneira correta de me proteger contra os efeitos do sol?

Atualmente, as empresas de dermocosméticos estão cada vez mais preocupadas em oferecer produtos de excelência e que tenham vantagens a mais para o consumidor.

É fácil encontrar filtros que, além de proteger contra os raios uva e uvb, possuam outros ativos que irão tratar a pele. São produtos com antioxidantes, agentes clareadores, calmantes, antipoluentes, com e sem coloração, antioleosidade etc.

Existem várias possibilidades, basta escolher o ideal para seu tipo de pele. Ao optar por um produto, além do fator de proteção solar (FPS), fique atento à proteção contra os raios ultravioletas A ou uva (PPD) do mesmo. Escolha aquele que combine mais com seu tipo de pele e, de preferência, proteja também contra a luz visível e poluição.

É bom destacar que conseguimos atingir um nível de proteção um pouco maior quando o filtro solar possui cor, ou seja, uma base de média a alta cobertura.

Também é importante ressaltar que o FPS mínimo para qualquer fototipo é o fator 30 e o PPD mínimo é 10, devendo ser aplicado, aproximadamente, 20 minutos antes da exposição ao sol e reaplicado em intervalos curtos, cerca de duas horas, ou sempre que mergulhar.

Outra circunstância crucial à proteção é a quantidade correta do produto. Em média, a quantidade ideal para utilização completa em face, orelhas, pescoço e colo é de um grama (para cremes).

Porém, nem sempre usamos isso tudo, não é mesmo?!

É preciso ter consciência dos efeitos do sol e da necessidade do filtro solar até mesmo em ambientes fechados e independente do fototipo, para prevenir doenças como o câncer de pele, manchas e até o envelhecimento precoce.

Curta e compartilhe nas redes sociais
24Shares