Sub-bacia do Córrego Marimbondo deságua no Nado que, por sua vez, desemboca no Córrego Vilarinho. Foto: Gabriel Ronan/Norte Livre.
Sub-bacia do Córrego Marimbondo deságua no Nado que, por sua vez, desemboca no Córrego Vilarinho. Foto: Gabriel Ronan/Norte Livre.
Advertisement

Por William Araújo

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), informou em nota que o prazo para início das obras nos Córregos Lareira (Bairro São João Batista) e Marimbondo (Bairro Santa Mônica), em Venda Nova, está previsto para fevereiro de 2019. Os recursos para execução do tratamento do fundo de vale e controle de cheias da Sub-bacia do Nado são provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento, 2ª etapa, (Pac2) e estão na ordem de R$ 33,6 milhões.


Leia também


As obras são aguardadas pelos moradores desde 2014, quando os recursos passaram à esfera federal. No entanto, mesmo com tantos anos de adiamento, o novo prazo é mais um protelamento do início, que estava previsto, em 2018, para a primeira quinzena de dezembro.

Questionada sobre o motivo do novo prazo, a Sudecap informou que visando ao melhor andamento da obra, optou-se por iniciá-la ao término do período chuvoso para evitar interrupções no trabalho devido às chuvas”.

Contudo, segundo informações já veiculadas pelo Jornal Norte Livre, o período chuvoso se estabelece entre outubro e março. Veja abaixo nota divulgada na reportagem “PBH sabia dos riscos, mas obras não chegaram a tempo de evitar tragédia na Vilarinho”.

“De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), por meio da Seção de Análise e Previsão do Tempo ( Sepre), do quinto distrito de meteorologia de Minas Gerais, presente em Belo Horizonte, o período chuvoso de toda Região Sudeste ocorre entre os meses de outubro e março do ano seguinte, com intensificação durante a primeira quinzena de setembro e entre os meses de novembro e janeiro – considerado o trimestre com maiores índices pluviais.

Segundo Paulo Barzel, representante comunitário no Bairro Santa Mônica, “se as obras não começarem neste mês, os moradores buscarão ajuda junto aos órgãos de fiscalização. A Regional perdeu alguns poderes, ao meu ver, e a Sudecap não responde nem quando será instalado o canteiro de obras. Já estive três vezes na Avenida do Contorno (Sudecap) e eles não dão nenhum detalhamento do projeto”.

Novela perto do fim?

Em março do ano passado, moradores do Bairro Santa Mônica buscaram ajuda do jornal para que fosse divulgado o problema em que andarilhos estavam se apossando dos imóveis vazios que ficavam às margens do Córrego Marimbondo. À época, os proprietários das casas receberam indenizações ou foram realocados para apartamentos próximos, o que deixou as estruturas à disposição de práticas ilícitas.

O andamento do empreendimento teve interrupção quando empresas que perderam a licitação entraram com recursos contra o processo administrativo. As obras ficaram paradas desde 2014 até meados de 2018, quando a reportagem começou a série de apurações sobre o caso.

A licitação foi reaberta em setembro de 2018, as casas que abrigavam andarilhos foram demolidas e os moradores das margens do Córrego Lareira – integrante, também, do projeto de tratamento de fundo de vale e controle de cheias -, obtiveram andamento das suas demandas.

A Engibrás venceu a licitação e a PBH, por meio da assessoria da Secretaria de Obras, informou que os trabalhos iniciariam na primeira quinzena de dezembro de 2018. Conforme texto, houve novo adiamento e, agora, o prazo se estende até o final de fevereiro.

Curta e compartilhe nas redes sociais
16Shares
Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte — UniBH (2017), jornalista editor no Jornal Norte Livre com passagem pelo Jornal Daqui BH, ambos parceiros hiperlocais do Portal Uai/Diários Associados. Professor e sócio na empresa "Quando - Fábrica de narrativas", conteudista, SEO (Search Engine Optimization), videomaker, fotógrafo e entusiasta como ilustrador, desenvolvedor web e animador 2D. "Os livros são o templo do jornalista, mas é nas ruas que ele congrega". Will Araújo