Vacinação contra a paralisia infantil se torna prioridade para o poder público. Foto: Márcio Martins/PBH.
Vacinação contra a paralisia infantil se torna prioridade para o poder público. Foto: Márcio Martins/PBH.
Advertisement

Por Gabriel Ronan

A Campanha Nacional de Vacinação 2018 se iniciou nesta segunda-feira nos centros de saúde espalhados pelo país. Em Venda Nova, os pais e responsáveis contam com 17 unidades (veja mapa abaixo) onde crianças entre um e cinco anos devem ter o cartão de vacinação atualizado até 31 de agosto. O foco deste ano fica concentrado nas imunizações contra sarampo e na poliomielite, que estão abaixo do ideal e causam preocupação nos órgãos públicos.

O receio quanto ao sarampo vem do aumento de casos na Região Norte do Brasil, principalmente nos estados do Amazonas e de Roraima. A imunização passa por duas doses: a primeira aos 12 meses de idade (tríplice viral – contra sarampo, rubéola e caxumba) e a segunda aos 15 meses de idade (tetraviral – contra as mesmas doenças e catapora). Neste ano, mesmo os vacinados nessas duas etapas precisam se imunuzar novamente, para garantir ainda mais a eficácia do antivírus.


Leia também

Para quem tem entre dois e 29 anos e nunca se vacinou contra as doenças, a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES/MG) indica a aplicação de duas doses, com intervalo de 30 dias. Pessoas entre 30 e 49 anos precisam de uma dose para ficar imunes. Os maiores de 49 anos são considerados imunes ao sarampo, uma vez que já conviveram com a doença.

Neste ano, apenas 66,79% do público-alvo está imunizado, segundo a secretaria. A pasta ainda destaca que o índice de vacinação contra o sarampo também esteve baixo no ano passado, quando apenas 88% das crianças foram vacinadas.

O sarampo é uma doença viral, infecciosa, aguda, transmissível, altamente contagiosa e comum na infância. Febre, manchas avermelhadas, dificuldades respiratórias e oculares, como tosse e conjuntivite, são alguns dos sintomas.

A transmissão pode ocorrer de uma pessoa a outra por meio de secreções expelidas ao tossir, falar, espirrar ou até na respiração.

Pólio

A campanha deste ano tem como embaixadora a apresentadora da TV Record, Xuxa Meneghel

Também conhecida como paralisia infantil, a poliomielite voltar a figurar entre as prioridades da campanha de vacinação. Isso acontece porque apenas 66,34% das crianças foram vacinadas até aqui no estado, segundo dados do governo de Minas. Isso representa quase 700 mil menores de cinco anos sujeitos à enfermidade.

A imunização passa Vacina Inativada Poliomielite (VIP), destinada às crianças que nunca foram vacinadas e às menores de um ano. Ela deve ser aplicada, regularmente, aos dois, quatro e seis meses de vida. Para quem já recebeu a primeira dose, os centros de saúde oferecem a Vacina Oral Poliomielite (VOP), que é um reforço da primeira. A VOP deve ser aplicada em duas oportunidades, é oral e ficou conhecida pelo personagem Zé Gotinha. 

A doença não é registrada no país desde 1990, mas, enquanto houver circulação do vírus, vacinal ou selvagem, em qualquer outro país, há risco de reintrodução da pólio no território brasileiro.

Trata-se de uma doença infecciosa, altamente contagiosa, provocada pelo poliovírus. Em contato com o corpo humano, o vírus se multiplica no intestino e pode invadir o sistema nervoso central, o que leva à perda de massa muscular e paralisia.

A transmissão se dá por meio de alimentos ou água contaminada. O ar, por meio das secreções, também pode ser um meio de infecção.

Números em BH

Em Belo Horizonte, o público-alvo (crianças entre um e cinco anos de idade) se forma por 109.439 pessoas, enquanto 1.027.305 crianças compõe o cenário estadual. Nos dois casos, a meta é vacinar 95% do grupo total, o que equivale a cerca de 104 mil pequenos em BH e 975.940 em Minas Gerais. No Brasil, mais de 11 milhões devem buscar as 36 mil salas de vacinação.

Belo Horizonte recebeu 169 mil doses da vacina contra o sarampo e 131.151 das vacinas contra pólio, segundo a prefeitura. A campanha envolve cerca de 2,4 mil trabalhadores da saúde municipal.

Em Venda Nova, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) e Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), estima-se o número de 14.813 crianças a serem vacinadas. Para isso, “foram encaminhadas 7 mil doses de vacina contra a pólio e 8.780 doses de vacina triviral“.

A cobertura vacinal contra sarampo em BH, em crianças de 1 ano de idade, está em 93% para a primeira dose em 78% para a segunda dose. A vacinação contra pólio, com a vacina injetável (VIP), também está em 93%. Já a vacina oral (VOP) está em 74%, para o primeiro reforço, e 78% para o segundo reforço.


 

Curta e compartilhe nas redes sociais
19Shares