Alunos da E. E. Profa. Maria Muzzi Guastaferro em produção de um curta-metragem
Alunos da E. E. Profa. Maria Muzzi Guastaferro em produção de um curta-metragem "Constante"
Advertisement

Por William Araújo

Smartphones e salas de aula, um debate que se prolonga sem muitas definições. Como educar com essa tecnologia: proibir que alunos saiam de casa com o aparelho? Proibir que entrem em sala com o smartphone? Policiar o uso para que os discentes não percam o conteúdo das aulas ou reeducar para que eles usem a tecnologia a seu favor no aprendizado?


Leia mais sobre a educação em Venda Nova

O professor de geografia César Carlos da Cruz escolheu a última opção: integrar smartphones ao conteúdo didático e abordar o ambiente sociogeográfico que cerca seus alunos. Por isso, organiza um festival de curtas-metragens que une mais de 40 docentes e suas disciplinas.

Na docência desde 2011, César sempre se interessou por tecnologia, mas foi a partir de 2015, quando participou do projeto “Enredos da vida, telas da docência: os professores e o cinema”, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que teve a ideia de usar o cinema nas salas de aula.

César Carlos da Cruz - Professor de Geografia
César Carlos da Cruz – Professor de Geografia

Ainda em 2015, o professor teve a primeira experiência da união entre o audiovisual, tecnologias mobiles e discentes no Centro Socioeducativo Santa Clara, onde funciona a Escola Estadual Jovem Protagonista, no Bairro Capitão Eduardo (Regional Nordeste). Lá, por meio do “Minuto Lumiere”, pôde vivenciar como o “fazer cinema” modificava a vida dos jovens em regime de internação.

Em 2017, a Escola Estadual Professora Maria Muzzi Guastaferro recebeu nas turmas do Ensino Fundamental a proposta “Vivência de Cinema”, idealizada por César com a parceria do professor de geografia Henrique Moreira Pinto.

Neste ano, coordenado pelos docentes Gasperim Ramalho de Souza (inglês), Marlete Gomes de Souza Araújo (inglês), Rodrigo Luiz Amarante de Souza (biologia), o cinema será associado às disciplinas de 20 turmas do Ensino Médio (19 do matutino e um do vespertino).

“O projeto sempre dá bons frutos. Quando chega o meio do ano, vários alunos me procuram para perguntar: ‘e aí, professor, quando vamos fazer novamente os curtas-metragens?'”, diz César.

 

Projeto “Vivência de Cinema”

Segundo César, o intuito do projeto é “promover a reeducação do uso de ferramentas, como os smartphones e algumas câmeras digitais, para o ambiente didático, de modo que os jovens possam sair da escola tradicional e aprender com as tecnologias sobre os diferentes temas que os cercam”.

Entre os formatos escolhidos pelos alunos estão o drama, o documentário, a reportagem, a comédia e outros. Alguns grupos também produzirão curtas-metragens na língua estrangeira inglês.

Capa de uma das produções com temática bullying
Capa de uma das produções com temática bullying

Por meio da metodologia, os alunos desenvolvem o trabalho em equipe, a organização, a pesquisa qualificada sobre os assuntos e a interdisciplinaridade. Para isso, o proposta foi dividida em três etapas:

1ª ETAPA – Planejamento, produção e seleção

Das 20 turmas que participarão, serão criados grupos de nove a dez alunos, sendo o máximo de quatro por classe. Cada um dos grupos deverá escolher um entre os 22 temas sociogeográficos propostos e dedicar a liderança a um aluno, que será o diretor cinematográfico.

Os curtas-metragens terão entre quatro e cinco minutos e os grupos deverão:

  • – Definir o projeto
  • – Criar um roteiro
  • – Selecionar o equipamento
  • – Proceder filmagem
  • – Editar áudio e vídeo.

Entre os dias 20 e 24 de agosto, o aluno diretor cinematográfico de cada grupo fará a avaliação do que desenvolveram e os professores padrinhos (dois por turma), após assistirem, darão as últimas notas. Será escolhido um grupo por turma, com critério de maior soma de pontos. Os 20 selecionados passarão à segunda etapa.

Vídeo produzido pelos alunos para chamada do evento 

2ª ETAPA – Exibição e votação

A exibição dos selecionados acontecerá no dia primeiro de setembro (sábado), na Escola Estadual Professora Maria Muzzi Guastaferro. A partir do dia três (segunda-feira), os curtas-metragens estarão recebendo a votação do público.

As categorias de votação online serão:

  • – Melhor curta-metragem
  • – Melhor diretor
  • – Melhor roteiro
  • – Melhor curta-metragem em língua estrangeira (inglês)
  • – Melhor ator
  • – Melhor atriz
  • – Melhor ator coadjuvante
  • – Melhor atriz coadjuvante.

Os melhores colocados receberão o “Oscar Vivência de Cinema” em cada categoria.

Alunos da E. E. Profa. Maria Muzzi Guastaferro em produção de um curta-metragem
Alunos da E. E. Profa. Maria Muzzi Guastaferro em produção de um curta-metragem

3ª ETAPA – Solenidade de entrega do “Oscar Vivência de Cinema”

A solenidade de entrega dos troféus ocorrerá no dia 14 de setembro, das 8h às 11h30, na “Quadras da Vilarinho”, situada na Rua Cascalheira, 138, Bairro Venda Nova (esquina com Avenida Vilarinho).

Banner produzido pelos próprios alunos para chamada do "Vivência de Cinema"
Banner produzido pelos próprios alunos para chamada do “Vivência de Cinema”
Curta e compartilhe nas redes sociais
213Shares
Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH, Bolsista PCCT na Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig)/Minas Faz Ciência, ilustrador, cartunista, videomaker, desenvolvedor web, jornalista editor no Jornal Norte Livre - parceiro hiperlocal do Portal Uai - com passagem pelo Jornal Daqui BH, conteudista, SEO (Search Engine Optimization), fotógrafo, animador 2D.