Imagem: Pixabay
Advertisement

Por Caroline Araújo – Biomédica Esteta   CRBM 8948

Atualmente, reconhecemos cada vez mais a ideia de que o segredo da beleza é ter uma boa saúde. Entretanto, acreditamos muitas vezes que produtos cosméticos irão nos transformar e resolver todos os problemas estéticos que incomodam a auto estima. Contudo, eles apenas auxiliam nesse processo.

Com a facilidade de obter informações pela web, a população se conscientiza mais sobre hábitos saudáveis e seus benefícios. Deste modo, alguns leitores já devem ter ouvido falar sobre o quão benéfico o Ômega 3 é para a saúde humana.


Leia mais artigos da colunista


Com incontáveis atributos, o Ômega 3 – também conhecido como alfa-linoleico – permite a formação de ácidos graxos de cadeia longa que, em outras palavras, são gorduras boas para o nosso organismo.

Antigamente, acreditava-se que uma dieta livre de gorduras era o ideal para combater a obesidade e as doenças crônicas, mas com o aprofundamento das pesquisas, os estudos demonstraram que parte dessas gorduras ingeridas auxiliavam em diversos processos importantes no nosso corpo e, sem consequências, combatiam doenças.

Além das vantagens que o Ômega 3 traz ao coração, cérebro, sistema circulatório, ele tem papel fundamental para a saúde da pele e dos cabelos. Estudos também demonstraram que, além de promover proteção a mais contra o câncer de pele, ele também previne o envelhecimento com ação antiaging, tem propriedades anti-inflamatórias, combate a acne, possui função imunomoduladora, entre outros benefícios descritos em pesquisas científicas.

Assim, o consumo dessa gordura é uma grande dica para quem quer envelhecer com saúde mantendo a cútis jovem.

Onde encontro o Ômega 3?

Existem alguns alimentos que são ricos em Ômega 3, tais como:

  • Peixes: salmão, cavala, atum, sardinha, arenque
  • Vegetais: folhas verde-escuras
  • Óleos: óleo de linhaça, canola, noz
  • Sementes: chia, linhaça dourada.

Esses são alguns exemplos em que encontramos grandes concentrações dessa boa gordura. Além das fontes naturais, é possível adquirir suplementos em que a substância está encapsulada em pequenas doses a serem consumidas diariamente. Todavia, é imprescindível procurar orientação profissional antes de começar o uso, pois tudo tem medida e o excesso traz riscos.

Curta e compartilhe nas redes sociais
13Shares
Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte — UniBH (2017), jornalista editor no Jornal Norte Livre com passagem pelo Jornal Daqui BH, ambos parceiros hiperlocais do Portal Uai/Diários Associados. Professor e sócio na empresa "Quando - Fábrica de narrativas", conteudista, SEO (Search Engine Optimization), videomaker, fotógrafo e entusiasta como ilustrador, desenvolvedor web e animador 2D. "Os livros são o templo do jornalista, mas é nas ruas que ele congrega". Will Araújo