Festival Descontorno Cultural abrange os 17 centros culturais de BH. Foto: Marcelo Vieira/PBH.
Festival Descontorno Cultural abrange os 17 centros culturais de BH. Foto: Marcelo Vieira/PBH.
Advertisement

Música, dança, teatro, circo e muita programação cultural. Neste fim de semana, de sexta-feira a domingo, as nove regionais de BH, inclusive Venda Nova, promovem o Festival Descontorno Cultural, organizado pela prefeitura por meio da Fundação Municipal de Cultura (FMC). A programação é gratuita e chega à sua quinta edição neste ano.

No total, serão 17 espaços contemplados. O Centro Cultural Venda Nova (CCVN) está entre eles e oferece ampla programação no domingo (2). Tratam-se de atrações marcantes da regional, como o tradicional circo do Palhaço Limão, protagonizado pelo artista Vágner Silva. O espetáculo se inicia as 11h30.

O CCVN também oferece espetáculos musicais. O show Duo Lumia, que encerra o evento as 19h, se destaca por uma produção audiovisual, estrelada pela pianista Joana Boechat e pelo artista visual Henrique Roscoe (veja o vídeo acima).

Programação completa do CCVN neste domingo. Foto: reprodução/CCVN.
Programação completa do CCVN neste domingo. Foto: reprodução/CCVN.

Além disso, haverá exibições de diversas bandas, entre elas a Revolução, formada em 2012 e que se inspira em Venda Nova  para compor canções autorais. O trio formado pelo vocalista Johnny Kiff, pelo guitarrista Ekson Wallace e pelo baixista Silas Lopes se apresenta as 11h.

Um aulão de forró também está entre as diversões oferecidas pelo CCVN. A iniciativa acontece as 15h e será coordenada pela Academia Arena do Forró, por meio do professor Maciel Bosso.

Ainda no domingo, as 18h, Venda Nova sedia o espetáculo Alento. Dirigido pelo artista Brey, morador de Ribeirão das Neves, a performance de dança e música faz um paralelo entre a correria da vida urbana e a calmaria dos momentos de descanso.

As peças musicais têm base no violão popular brasileiro e o gênero da dança é o contemporâneo. O espetáculo é constituído por oito composições de Brey, executadas por ele e interpretadas por Luciana Lapér, bailarina convidada desta edição. A obra traz estímulos sensoriais ao espectador, como: tato, visão e outros.

Confira a programação de todos os centros culturais aqui. 

O festival

O músico Brey leva seu espetáculo Alento a Venda Nova neste domingo. Foto: Rodolfo Ataíde/Divulgação.
O músico Brey leva seu espetáculo Alento a Venda Nova neste domingo. Foto: Rodolfo Ataíde/Divulgação.

Nesta 5ª edição, o Festival Descontorno Cultural traz como tema ‘A Cultura Circulando por Toda a Cidade’. Pela primeira vez, a programação será realizada ao longo de três dias consecutivos, com 12 horas de eventos gratuitos por dia.

Outra novidade deste ano são vans e micro-ônibus alugados pela prefeitura, que vão transportar a população de um centro cultural para outro. O translado será gratuito.

Além disso, neste ano, haverá um palco central, localizado em um dos espaços mais significativos para a cultura de BH: o Viaduto Santa Tereza. O local contemplará uma grande celebração, trazendo para esse território artistas locais.

Investimentos

Para o secretário municipal de Cultura, Juca Ferreira, a democratização do acesso e a desconcentração das políticas públicas de cultura são premissas básicas do festival. O evento segue as diretrizes da prefeitura, que tem tentado desconcentrar o investimento em cultura da Região Centro-Sul, historicamente privilegiada pelo Executivo municipal.

“Temos nos esforçado em realizar um conjunto de projetos para estarmos presentes em todos os territórios da cidade, intensificando nossas ações de descentralização das atividades e serviços ofertados. O festival Descontorno Cultural faz parte desse conjunto de políticas que busca valorizar a produção cultural e as identidades dos mais diversos territórios de Belo Horizonte”, ressaltou.

Além do Festival Descontorno Cultural, a PBH ofereceu dois outros programas em 2018: o Edital Descentra e a Lei Municipal de Incentivo à Cultural (LMIC), resgatada após quase dois anos.

O Descentra nasceu com o objetivo de oportunizar artistas afastados do Centro, situados em regiões como Venda Nova, Barreiro e Norte. Na última edição, o edital investiu R$ 1 milhão na seleção de projetos culturais.

Apesar disso, a LMIC – maior programa de incentivo à cultura na cidade – ainda apresentou extenso desequilíbrio. Conforme o Norte Livre mostrou com exclusividade, Venda Nova recebeu R$ 982.450 (4,9% do total), enquanto a regional Centro-Sul levou R$ 8 milhões (39% do total) do aporte financeiro oferecido pela Lei neste ano.

Contudo, a quantia alcançada por Venda Nova é vista como um avanço pelo diretor de Fomento e Economia da Cultura da pasta responsável pelo edital, Leonardo Beltrão.

“À princípio, parece um crescimento sutil e, na verdade, é. Mas alcançar este patamar demandou muito trabalho e esforço, uma vez que nos últimos editais, as regiões Norte, Venda Nova e Barreiro sequer atingiram 3% (do total de projetos apresentados)”, afirmou o diretor.
Curta e compartilhe nas redes sociais
18Shares