Foto de divulgação do desaparecimento - Enviada pela irmã de Martha
Foto de divulgação do desaparecimento - Enviada pela irmã de Martha
Advertisement

Por Gabriel Ronan e William Araújo

Desaparecida desde o dia 16 de agosto, Martha Lígia Pereira Novais, 32 anos, parda, cabelos longos e pretos, com uma tatuagem tribal nas costas, perto do pescoço, foi vista pela última vez na mesma data, próximo à Estação Vilarinho, em Venda Nova, de acordo com relatos de familiares.


Leia também

Segundo eles, Martha é dependente química e, por isso, no dia 8 de agosto foi internada no Centro Terapêutico Feminino Abrigo Hadassa, situado no bairro Jaqueline, na Região Norte da cidade. A família afirma ter pago R$300 como encargos de manutenção cobrados pela casa de reabilitação.

 

Martha à esquerda com a irmã - foto enviada pela irmã de Martha
Martha à esquerda com a irmã – foto enviada pela irmã de Martha

Conforme informações dadas por Ariadalza Camila Pereira Novais, irmã da desaparecida, enquanto estava no abrigo, Martha teve alguns desentendimentos com monitoras e outras internas por causa das rotinas de alimentação. Sentindo-se deslocada no ambiente, ela teria pedido para ir embora, mas antes conversou com a pastora Queila, uma das responsáveis pelo centro de reabilitação.

De acordo com a Ariadalza, em história ouvida dos responsáveis pela casa, a desaparecida tomou das mãos de uma monitora a chave do local e disse que iria embora. Logo depois, segundo a irmã, o pastor Jackson Benfica, administrador do abrigo, conversou com a interna e a levou para um local onde pudesse voltar para casa.

“Eles não deveriam ter liberado minha irmã sem antes entrar em contato com a polícia, tê-la segurado no local e cumprido o termo de 24h. Eles deveriam tê-la entregado em nossas mãos, assim com a entregamos a eles.”, disse Ariadalza Camila, irmã da desaparecida.

De acordo com a irmã, os administradores lhe disseram que tentaram ligar várias vezes para avisar que levariam Martha até a Estação Vilarinho, mas o celular estava desligado. A irmã confirma que o aparelho estava, realmente, sem bateria, mas quando o carregou, afirma não ter recebido nenhuma notificação de chamadas perdidas.

Martha foi deixada em frente a Estação Vilarinho com bagagens de roupa e muito lucida, segundo administradores do abrigo. A família já procurou em cenas de uso localizadas nos Bairros Landi, Mantiqueira, Pedra Branca e Maria Helena, onde ela costumava frequentar, mas não encontrou nenhuma pista sobre o paradeiro.

Imagem de Divulgação da Polícia Civil - enviada pela irmã de Martha
Imagem de Divulgação da Polícia Civil – enviada pela irmã de Martha

O que diz o Abrigo Hadassa

O Jornal Norte Livre fez contato com o pastor Jackson Benfica, que nos recebeu em seu escritório e relatou o que houve na versão dos Abrigo Hadassa. Segundo ele, desde que Martha entrou, sempre quis ir embora. Ela não estava se adequando ao tratamento de abstinência total. No dia que desapareceu (16), chegou a pular o muro durante o dia, o que é atitude suficiente para que fosse desligada. Entretanto, tentaram mantê-la no local.

Na mesma data, à noite, ela atacou a monitora, tomou a chave e tentou ir embora novamente. Não querendo mais ficar, pediu que solicitassem um Uber. De acordo com o pastor, tentaram fazer contato com a família diversas vezes, mas não conseguiram. Pediram a ela que permanecesse no local e aguardasse, mas Martha insistiu pelo serviço de transporte.

O pastor Jackson alega ter ficado com medo de pedir esse tipo de condução, porque ela estava com abstinência e poderia mudar o trajeto, indo para alguma cena de uso. Como Martha queria pular o muro outra vez, para evitar algum acidente, Jackson deu à interna R$6 e a levou com os pertences, por volta das 20h, até a Estação Vilarinho (entre a faculdade Faminas e o Shopping Estação), voltando para o abrigo em seguida.

Antes de sair, o pastor disse ter gravado um áudio em que ela pede para ir embora sem incomodar a família. Segundo ele, o abrigo não faz o tratamento compulsivo e nem psiquiátrico, apenas terapêutico, por isso fica na casa quem quer.

Ouça abaixo o depoimento do pastor Jackson Benfica, do Abrigo Hadassa.

Como ajudar

Caso saiba o paradeiro de Martha Lígia Pereira Novais ou informações que levem a ela, o interessado em ajudar deverá ligar para o número 0800 2828 197 ou acessar o site https://delegaciavirtual.sids.mg.gov.br/sxgn/


 

Curta e compartilhe nas redes sociais
418Shares