Foto: divulgação/Conversai
Foto: divulgação/Conversai
Advertisement

Um coletivo formado por jovens de Venda Nova, que pensam ideias para valorizar a comunidade por meio do hip hop e do debate sobre o meio com o qual convivem. A ideia do projeto Conversai, desenvolvido na Praça da Seresta, localizada no limite entre as regiões da Pampulha e de Venda Nova, no Bairro Santa Amélia, chamou a atenção da deputada federal Áurea Carolina (Psol). A mulher mais votada de Minas gerais estará no local a partir das das 10h deste sábado (29).

Com entrada franca, a programação vai discutir a ocupação do espaço público em Venda Nova, além de políticas públicas voltadas ao jovem. Uma apresentação de rap conclui a iniciativa.

“O Conversai é uma iniciativa importantíssima de conversa aberta e crítica sobre a realidade da comunidade, da juventude e do momento que o país está atravessando, e como isso é sentido, principalmente, pela juventude negra e periférica”, analisa a deputada federal eleita com mais de 162 mil votos no último pleito.

O projeto é desenvolvido por 12 jovens de bairros próximos. “Começamos como uma produtora de rap, mas aí juntamos vários amigos e percebemos que precisarmos de ser mais que uma produtora de rap. Seria muito pouco perto do que a gente poderia fazer. Daí, a gente desenvolveu um trabalho para contribuir com nossa comunidade e a região”, afirma Ricardo Soares, de 21 anos, servidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Minas Gerais e um dos organizadores do Conversai.


Você é de Venda Nova?

Morador(a) de Venda Nova, fique por dentro de notícias exclusivas e específicas da regional. Clique no botão ao lado/abaixo e siga o Jornal Norte Livre nas redes sociais.


Para a deputada Áurea Carolina, o encontro é uma oportunidade para discutir o atual momento do Brasil, diante de medidas polêmicas tomadas pelo governo federal. Um exemplo é o corte de investimentos nos institutos federais de educação. “É pela juventude que a gente tem condição de criar massa crítica capaz de fazer a diferença no mundo e se colocar para a luta. Porque a democracia só é conquistada com muita luta. E, mesmo assim, todas as nossas conquistas, neste momento, estão ameaçadas”, afirma.

Essa será a segunda edição do evento. Em abril, o Conversai recebeu o presidente da Comissão de Promoção da Igualdade Racial da seccional mineira, Gilberto Silva. O advogado pautou a violência étnica-racial no Brasil e em Belo Horizonte. Cerca de 80 pessoas compareceram, segundo o coletivo.

Primeiro encontro no Bairro Santa Amélia reuniu cerca de 80 pessoas, que discutiram a violência contra a população negra. Foto: Lucas Soares/Conversai.

Além das programações na Praça da Seresta, os jovens que fazem parte do grupo também já foram a escolas da Pampulha. Houve uma palestra para alunos da Escola Estadual Maria Andrade Resende, no Bairro Garças.

O coletivo não recebe apoio financeiro do poder público nem de organizações privadas. “O que toca o trabalho é nossa motivação mesmo, além do apoio da família. A divulgação, por exemplo, acontece pelas redes sociais e muito boca a boca, a partir das pessoas que a gente conhece”, ressalta Ricardo Soares.


Leia também


Curta e compartilhe nas redes sociais
997Shares