Zé Teixeira e Walter Dias - Show Transversal - Foto - da esquerda para direita - Déa Tomichi e Valéria Pisauro
Zé Teixeira e Walter Dias - Show Transversal - Foto - da esquerda para direita - Déa Tomichi e Valéria Pisauro
Advertisement

Nascido no município de Água Boa, em Minas Gerais, em 1961, e morador de Venda Nova há 41 anos, José Teixeira de Sousa Sobrinho, de alcunha Zé Teixeira, é um dos nomes do cenário musical na regional.

Desde a criança que cantarolava até o compositor de 56 anos, Zé Teixeira sempre esteve envolvido com a música. A escolha pelo violão aconteceu quando veio a Belo Horizonte, na década de 1970, e teve contato com o primo José Eudes. De acordo com o músico, mesmo sem muita paciência para ensinar, foi ele quem encantou o jovem compositor com as tardes de dedilhado.


Saiba mais

Mais tarde, Zé Teixeira viria a ter aulas com um amigo chamado “Pira”, o qual tinha vocação para ensinar. O exercício da arte o levou a comprar seu primeiro violão, um Tonante.

De lá para cá, o principiante cresceu, ganhou credibilidade e, hoje, transita entre vários ritmos, como o xote, reggae, country, baião, salsa, balada, rock, samba.

Entretanto, o músico e compositor diz que a música no Brasil ainda é elitista. Segundo Zé Teixeira, “se o artista não for ungido por uma grande indústria, ele estará fadado a viver na periferia do mercado”.

Quando participou dos Festivais da Canção, percebeu como alguns músicos brilhantes são submetidos ao julgamento de pessoas sem o necessário para a avaliação musical.

“Muitas vezes, são celebridades locais, desprovidas de conhecimento musical, que irão julgar o trabalho; sem conhecer os elementos que constituem a música (“letra”, melodia, harmonia, ritmo etc.)”, diz o músico e compositor vendanovense.

Zé Teixeira - Foto - Paulo Lacerda
Zé Teixeira – Foto – Paulo Lacerda

Para não precisar pernoitar como muitos que tentam sobreviver da arte, Zé Teixeira conciliou o trabalho no Serviço Público, como técnico operacional de saúde, com a música.

Quando o assunto é a contribuição dos veículos de comunicação para o cenário musical belo-horizontino, o músico diz que as rádios e sistemas televisivos – excetuando-se os veículos estatais comunitários e educativos -, desde o governo Sarney, se transformaram em canais a serviço da “mega indústria” do entretenimento, sem nenhum compromisso com a qualidade.

“Tornaram dutos da cultura inútil”, comenta Zé Teixeira.

Em Venda Nova o músico e compositor foi protagonista na inauguração do Centro Cultura de Venda Nova; participa do Rotary Venda Nova, do Conselho de Venda Nova, da Rede Sesc de Ação Comunitária; além de ter presença na Associação Tecendo Arte e Vida, ONG Kayrós, Rede de Vizinhos do Sesc, Lagoa no Nado, orquestra do maestro Alarico, escola de samba Acadêmicos de Venda Nova, Associação da Vila Mantiqueira.

Com um passado de três CDs (Viver de Novo, Irreverências e Alquimista) e um DVD gravados, Zé Teixeira planeja o registro em Compact Disc.

Em toda carreira, Zé Teixeira destaca dois momentos: quando foi finalista no festival Canta Minas, da Rede Globo, e quando gravou o Alquimista ao vivo no teatro SESIMINAS (Nansen Araújo).

Uma nova fórmula

O Show Transversal é uma das atividades promovidas pelo músico e compositor. A fórmula encontrada por Zé para fortalecer o eixo da MPB no cenário musical foi propor parcerias de palco a compositores com histórias de vidas semelhantes. Neste evento, Zé Teixeira dividirá palco com Walter Dias.

Walter Dias - Foto - Valéria Pisauro
Walter Dias – Foto – Valéria Pisauro

O Show Transversal acontecerá no teatro Francisco Nunes, no Parque Municipal. O evento terá a participação especial de Wendel Mesquita e Laiza Moraes. O ingresso custa R$20,00.

Show Transversal - Zé Teixeira e Walter Dias - Foto: Paulo Lacerda e Valéria Pisauro - Arte: Victor Dias
Show Transversal – Zé Teixeira e Walter Dias – Foto: Paulo Lacerda e Valéria Pisauro – Arte: Victor Dias

Serviço

  • Evento: Show Transversal – Zé Teixeira e Walter Sales (participação especial Wendel Mesquita e Laiza Moraes)
  • Data: 16 de março (sexta-feira)
  • Início: 20h30
  • Local: Teatro Francisco Nunes, av. Afonso Pena, no Parque Municipal – Belo Horizonte/MG
  • Bilheteria: R$20,00 para compra antecipada. A partir das 19h, os ingressos serão vendidos na portaria do evento (sujeito a disponibilidade e lotação do teatro).
  • Contato: (31) 998892706 – (Produção do Zé Teixeira)/ (31) 992613209 (Produção do Walter Dias) /32776325 (Bilheteria do Teatro).

 

Curta e compartilhe nas redes sociais
10Shares
Jornalista graduado pelo Centro Universitário de Belo Horizonte — UniBH (2017), jornalista editor no Jornal Norte Livre com passagem pelo Jornal Daqui BH, ambos parceiros hiperlocais do Portal Uai/Diários Associados. Professor e sócio na empresa "Quando - Fábrica de narrativas", conteudista, SEO (Search Engine Optimization), videomaker, fotógrafo e entusiasta como ilustrador, desenvolvedor web e animador 2D. "Os livros são o templo do jornalista, mas é nas ruas que ele congrega". Will Araújo