Casas demolidas no entorno do Córrego Marimbondo - Foto - Gabriel Ronan
Casas demolidas no entorno do Córrego Marimbondo - Foto - Gabriel Ronan

A solução de um velho problema atrasada por uma antiga desculpa. Nesta quinta-feira (16/8), a prefeitura de Belo Horizonte (PBH) publicou no Diário Oficial do Município um novo atraso no processo de licitação das obras no Córrego do Nado, em Venda Nova.


Saiba mais

Os documentos das empresas interessadas deveriam ser entregues até esta quinta-feira, às 9h. Entretanto, a “constatação de erros na planilha orçamentária” fez a PBH remarcar a data de abertura do certame para o dia 11 de setembro, às 9h.

De acordo com a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (Smobi), o retardo se dá devido a ajustes de orçamento de itens e serviços. Segundo a pasta, se trata de um procedimento comum em licitações.

Por isso, caso não haja atraso, os efeitos das obras só poderão ser avaliados na estação chuvosa de 2020. As intervenções vão contribuir para minimizar os problemas na Avenida Vilarinho com relação às chuvas, já que tanto o Lareira (azul) quanto o Marimbondo (vermelho) desaguam no Córrego do Nado que, por sua vez, desemboca no Córrego Vilarinho.

As obras no Córrego do Nado, por onde passam as sub-bacias Lareira e Marimbondo, são aguardadas há anos por moradores dos bairros Santa Mônica e São João Batista. O valor máximo para a execução das intervenções é de R$ 44 milhões, enquanto o prazo para conclusão é de 540 dias (um ano e meio) a partir do começo dos trabalhos.

Os recursos vem do Fundo Municipal de Saneamento (FMS). O dinheiro prevê obras de tratamento de fundo de vale e controle de cheias dos dois córregos.

Córrego Marimbondo e poluição - Foto 2 - Gabriel Ronan
Córrego Marimbondo e poluição – Foto 2 – Gabriel Ronan

Também estão previstas, segundo a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, as construções de canais de concreto armado e de duas bacias de detenção, entre as ruas Hye Ribeiro e Elce Ribeiro. Praças de lazer nas ruas Maria de Lourdes de Carreira, Expedicionário Américo Fernandes e Bernardino Oliveira Pena integram o cronograma.

O edital se encontra à disposição dos interessados na Seção de Suporte Administrativo da Diretoria Jurídica da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), localizada na Avenida do Contorno, 5.454 – Térreo – no Bairro Funcionários.

A concorrência pública vai funcionar por meio de Regime Diferenciado de Contratação (RDC). Nesta modalidade, as empresas concorrentes não têm acesso ao orçamento da obra e a vencedora é definida de acordo com o menor valor oferecido.

Cronologia

Com cerca de dois quilômetros de extensão, o Córrego Marimbondo, no Bairro Santa Mônica, teve sua obra de saneamento autorizada em 2011. Entretanto, de lá pra cá, diversos entraves impediram o começo dos trabalhos.

1Em 2014,

Adiamento pelo DOM

houve a desapropriação dos moradores próximos ao Marimbondo. Entretanto, em outubro daquele ano, o processo em pauta foi adiado pela PBH, por meio da Sudecap, que justificou à reportagem do Jornal O Tempo o atraso por motivo de “ajustes nas planilhas que compõem o projeto”.

2Em 2016,

Matéria do Jornal Estado de Minas

a PBH desclassificou as sete empresas concorrentes da licitação. Insatisfeitas, essas companhias apelaram à Justiça, que concedeu uma liminar favorável à iniciativa privada. Para não correr o risco de arrastar o processo por anos no Judiciário, a PBH resolveu, em agosto daquele ano, cancelar a concorrência pública.

3Março de 2018

Devido aos vários impedimentos, o que devia resguardar a população de enchentes se tornou em mais dor de cabeça. As casas desapropriadas, conforme noticiado pelo Norte Livre, abrigaram animais peçonhentos e serviram de ponto para tráfico de drogas.

4O problema só foi resolvido no dia 8 de maio de 2018,

quando a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) deu início à demolição das casas. As limpezas do Marimbondo, ação que antecede o início das intervenções previstas na licitação aberta nesta segunda-feira, se iniciaram em 26 de abril, por parte da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU).

5No Córrego do Lareira, No Bairro São João Batista,

a situação não é diferente. O mau cheiro toma conta das imediações, nas quais também há depósito irregular de lixo. Em visita ao Coordenador de Atendimento da Regional Venda Nova, Humberto Pereira, a reportagem apurou que uma família, assistida pela PBH, invadiu uma das casas já desapropriadas, o que gerou complicações para o pontapé inicial das obras.


Curta e compartilhe nas redes sociais

1Shares