Ana Clara Pinheiro Zile - Escola Municipal Gracy Vianna Lage - Foto William Araújo
Ana Clara Pinheiro Zile - Escola Municipal Gracy Vianna Lage - Foto William Araújo
Advertisement

Por Gabriel Ronan e William Araújo

No dia 26, alunos da Escola Municipal Gracy Vianna Lage (EMGVL), localizada no bairro Jardim dos Comerciários, participarão de uma solenidade para receber as premiações pelo desempenho na olimpíada de matemática internacional Canguru de Matemática. Dentre os competidores, se destacaram três alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e duas alunas do quinto ano fundamental.


Leia também

O Canguru de Matemática surgiu em 1991, na França e baseado em uma Competição Australiana de Matemática de data anterior. Os idealizadores André Deledicq e Jean Pierre Boudine criaram o concurso com o intuito de popularizar a matemática no país e quebrar o paradigma de dificuldade da disciplina.

O concurso foi um sucesso e em 1993, em Paris, foi proposta a expansão do evento a outras nacionalidades, o que gerou o Canguru Europeu. Mais tarde, também empurrados pela repercussão positiva dos testes de exatas, em 1995 foi fundada a Associação Canguru Sem Fronteiras (AKSF), que organiza a olimpíada.

Atualmente, são mais 70 países participantes, o que totaliza mais de seis milhões de competidores. As nacionalidades podem escolher entre 24 e 30 questões de múltipla escolha, disponibilizadas pela AKSF, para aplicar o teste, que deve ser resolvido com o máximo de 90 minutos.

Podem participar alunos entre sete e 18 anos de idade, e as provas ocorrem a partir da terceira quinta-feira de março, em até um mês após a divulgação do evento. Os resultados são enviados para a plataforma online e publicados individualmente para cada escola.

Vice-diretora Ângela Oliveira e professor Fábio Simão - Escola Municipal Gracy Vianna Lage - foto William Araújo1
Vice-diretora Ângela Oliveira e professor Fábio Simão – Escola Municipal Gracy Vianna Lage – foto William Araújo1

Em todo ano, são atualizadas as médias de corte para saber qual a colocação dos alunos no concurso. Nesse ano, o colégio Gracy Vianna alcançou três medalhas de bronze com o EJA (Edneia Castro Santo Alves, Isael Augusto dos Santos e Breno Miranda de Oliveira) e duas menções honrosas com o quinto ano fundamental (Ana Clara Pinheiro Zile e Franthiesca Kira Chaves de Araujo).

Professores fazem a diferença

Professor Fábio Simão - Escola Municipal Gracy Vianna Lage - foto William Araújo
Professor Fábio Simão – Escola Municipal Gracy Vianna Lage – foto William Araújo

A matemática é difícil? Sim. Mas é interessante e bela”, diz o professor de matemática Fábio Simão, responsável por propor a olimpíada na Escola Municipal Gracy Vianna Lage.

De acordo com o docente, desde pequeno ficava encantado como o pai – um caminhoneiro pouco alfabetizado – conseguia fazer cálculos de matemática com tanta velocidade.

Além disso, na escola, durante os 11 anos de idade, Fábio teve uma grande professora. Ela trazia problemas de matemática para que ele resolvesse e ainda o desafiava dizendo: “esse problema é tão simples que até meu filho de sete anos resolve”.

Fábio se sentia instigado a aprender mais e superar a opinião da mestra. Somente mais tarde, quando ela faleceu, o garoto descobriu que professora não tinha filhos e fazia aquilo para estimular a vontade do aluno.

Por isso, segundo o professor de matemática, é necessário inserir aos alunos desafios, para que, por meio deles, aprendam a acreditar em si mesmos.

Desde o ano passado, quando Fábio entrou no colégio Gracy, estimula a participação dos discentes em olimpíadas como a Canguru de Matemática Brasil.

Conforme o professor, os testes não buscam talentos, mas popularizar o estudo da matemática. Nas “competições” desse modelo, os alunos podem ter superações individuais e almejar maiores saltos dentro da educação.

Só temos a ganhar

De acordo com a vice-diretora Ângela Gomes de Oliveira, que faz parte da escola há 31 anos, e com Fábio Simão, envolveram com a atividade, aproximadamente, 80% do corpo docente do colégio.

“Foi um momento de muita alegria e os professores se entusiasmaram e compraram a ideia, mas o melhor foi ver os alunos quererem mais e perderem o medo da matemática”, diz a vice-diretora.

Franthiesca Kira Chaves de Araujo e Ana Clara Pinheiro Zile - Escola Municipal Gracy Vianna Lage - Foto William Araújo
Franthiesca Kira Chaves de Araujo e Ana Clara Pinheiro Zile – Escola Municipal Gracy Vianna Lage – Foto William Araújo

Competiram pela Escola Municipal Gracy Vianna Lage 291 alunos, dos quais cinco conseguiram superar as médias de corte estabelecidas pelo conselho da Canguru de Matemática Brasil.

A aluna do quinto fundamental Ana Clara Pinheiro Zile, de 11 anos de idade, disse que a prova estava complicada e preferiu começar pelas questões difíceis. Agora, após receber a menção honrosa como resultado da olimpíada, planeja participar de outras competições.

Franthiesca Kira Chaves de Araujo – outra aluna que também ganhou a menção honrosa – diz ter saído da olimpíada acreditando mais em seu potencial, além de, no futuro, querer trabalhar com a Matemática.

Olhando para o futuro

A Canguru de Matemática é uma competição que visa o aprendizado acima dos resultados finais. Segundo o representante da AKSF no Brasil, Elio Mega,

“o concurso desafia os estudantes com problemas criativos e divertidos, respeitando o caráter científico dessa disciplina… Não há ranking nacional, pois a finalidade do concurso não é fazer comparações entre escolas, mas despertar o interesse do estudante pela Matemática, independentemente da classificação do aluno”.

Neste ano, no Brasil, participaram 324.760 alunos e todos receberam um certificado digital. Aos que atingiram melhores notas, são dadas medalhas significativas de ouro, prata e bronze, além da honra ao mérito, atribuída a 4% dos competidores.

 


 

Curta e compartilhe nas redes sociais
44Shares